4Matt Tecnologia

Cloud FinOps, ITAM e a mudança para a nuvem

Os últimos anos trabalhando na nuvem nos ensinaram a não confiar em estimativas futuras de gastos. 

Se os gastos com nuvem pública em 2025 atingirem US$ 917 bilhões (Gartner), US$ 809 bilhões (IDC) ou meros US$ 692 bilhões (Veritis), não há como argumentar que a mudança para a nuvem pública e o desligamento dos data centers próprios está mudando a cara da TI em todos os lugares. 

Não é exagero dizer que quase todas as organizações do mundo serão afetadas pela mudança para a nuvem. E, em maior ou maior grau, todos precisarão agir para se adaptar.

O acesso a uma oferta quase ilimitada de serviços em nuvem alimenta novas e empolgantes oportunidades para agregar valor mais rapidamente, inovar e escalar como nunca antes. Mas a granularidade e a escala dos ativos de nuvem que usamos agora e a velocidade com que devemos considerá-los também trazem novos desafios.

O uso da nuvem pública remove muitas das restrições de fornecimento que gerenciamos nos últimos 30 anos de TI e torna cada ativo em nosso inventário mais efêmero. Estamos passando de um mundo onde adquirimos , possuímos e otimizamos centralmente nossos recursos de TI finitos, para um onde qualquer um de nossos engenheiros pode alugar centenas de milhares de recursos que possam atender às suas necessidades, ignorando as verificações e contrapesos tradicionais. E podemos usar esses recursos pelo tempo que quisermos.

Uma mudança significativa e permanente na forma como a TI é fornecida

Para os gerentes de ativos de TI é um desafio rastrear o ciclo de vida de cada ativo de TI e o valor que cada um cria. Esta não é uma pequena mudança na forma como a TI é entregue, nem é temporária.

De fato, uma nova disciplina colaborativa se formou para ajudar as empresas a trabalhar em disciplinas de tecnologia, finanças e negócios para obter melhor visibilidade e tomar melhores decisões sobre gastos e uso da nuvem. Essa disciplina emergente é o Cloud FinOps.

O FinOps permite que as empresas gerenciem melhor essa mudança da compra central de TI para a tomada de decisão distribuída sobre o uso de ativos de TI que suporta o modelo em que engenheiros individuais ou equipes de engenharia criam infraestrutura como código e comprometem nossas organizações a gastar. Obter insights sobre esses gastos, criar transparência para todos e otimizar o uso dos recursos que usamos são funções-chave que uma equipe de FinOps suporta.

O relatório State of FinOps da FinOps Foundation documenta há dois anos o amadurecimento das práticas de FinOps em todos os setores, geografias e demografias organizacionais. Como resultado, a comunidade de praticantes de FinOps está se expandindo rapidamente, de menos de 3.000 membros no outono passado para quase 8.000 em setembro de 2022.

Ao usar a nuvem, os profissionais de FinOps lidam com muitos dos mesmos desafios que as equipes de ITAM enfrentam. Coleta de dados, normalização, relatórios, análise de custos, utilização, métricas de unidade, todos são complicados pelo grande volume e complexidade dos dados provenientes de provedores de nuvem em diferentes formatos e com diferentes terminologias.

Mas há boas notícias aqui, além dos desafios. FinOps e ITAM estão ambos na mesma equipe.

Para definir um pouco o cenário, a Fundação FinOps define “FinOps” como:

“ FinOps é uma prática cultural e disciplina de gerenciamento financeiro em nuvem em evolução que permite que as organizações obtenham o máximo valor comercial, ajudando as equipes de engenharia, finanças, tecnologia e negócios a colaborar em decisões de gastos orientadas por dados.”

Se isso soa um pouco parecido com práticas do ITAM, é ótimo! Porque FinOps é intencionalmente definido para permitir uma interação próxima com o ITAM (e outros recursos de TI e funções de gerenciamento de custos). À medida que o FinOps continua a evoluir, amadurecer e se adaptar, ele não substituirá as funções do ITAM. FinOps é uma nova disciplina que deve manter um foco constante em gastos que sempre têm o potencial de sair do controle e que também está reunindo disciplinas e práticas isoladas que se tornaram enraizadas ao longo do tempo e não estão à altura do desafio da nuvem como eles existem agora.

Integrando os frameworks ITAM e FinOps

Embora o FinOps tradicionalmente se concentre na visibilidade e na otimização dos recursos de infraestrutura em nuvem, as chaves para fazer esse trabalho envolvem a capacidade de lidar com grandes volumes de dados de recursos de forma rápida e consistente. Para fazer isso, devemos desenvolver as estruturas que nos serviram bem para o gerenciamento de ativos de TI e cruzá-las com as práticas de FinOps para identificar, agrupar e alocar o custo de nossos ativos ao longo do tempo.

Mas FinOps não pode trabalhar sozinho. Equipes de SAM, equipes de ITFM, equipes de TBM, equipes de Arquitetura Corporativa, todas se tornam ainda mais importantes no mundo da nuvem. As equipes de FinOps devem trabalhar com todos esses grupos – além das equipes de engenharia, finanças e produtos, para manter a organização focada em eficiência e valor em tempo real.

A estrutura FinOps foi desenvolvida para destacar a integração e a colaboração com essas outras disciplinas à medida que o uso da nuvem continua. A integração com o ITAM é uma das Capacidades de uma prática de FinOps bem-sucedida em qualquer organização que tenha uma prática de ITAM.

Estrutura de recursos FinOps

Integração com ITAM na prática de Cloud FinOps
Flexera State of the Cloud 2022

Essa integração ainda está nos primeiros dias, mas os praticantes de ITAM podem agregar grande valor à disciplina FinOps com seu conhecimento e experiência. Como exemplo, as práticas de FinOps se concentram na otimização e no uso de serviços na nuvem, recomendando o posicionamento da carga de trabalho ou a seleção de serviços. Mas essas recomendações podem ser feitas sem considerar os pacotes de software usados ​​por essa infraestrutura e as implicações de licenciamento de mover ou alterar recursos. É aqui que o conhecimento e a experiência dos profissionais de ITAM podem render grandes dividendos à otimização de custos de recursos de TI de uma organização. Os membros da equipe do time de ITAM ou mais especificamente em Software Asset Management (SAM) estão cientes do software da organização e podem avaliar um possível posicionamento de carga de trabalho que pode resultar em economia de alguns centavos em infraestrutura,

Este exemplo ilustra apenas uma situação em que uma colaboração entre ITAM e FinOps pode trazer benefícios financeiros para a organização. As equipes de ITAM podem não ter visibilidade na nuvem em um momento em que as atividades de gerenciamento de ativos de software (SAM) estão crescendo em importância e complexidade.

Dando ao ITAM um lugar à mesa

A reconciliação de licenças de software na nuvem cria riscos potenciais de conformidade e segurança. Ao mesmo tempo, as equipes de FinOps estão focadas no valor da nuvem e podem ter visibilidade limitada dos custos de software, sejam eles locais, usados ​​na nuvem ou por meio do consumo de serviços SaaS.

Essa desconexão é ilustrada ainda mais no gráfico a seguir do Relatório Flexera 2022 State of the Cloud, que mostra que, para as principais funções de economia de custos, como otimizar o uso e os custos de SaaS, bem como controlar as licenças de software usadas em IaaS e PaaS, a equipe SAM raramente participa.

Responsabilidades de gerenciamento de custos da nuvem pela equipe de TI para todas as organizações

Participação da equipe SAM nos custos SaaS
N=753 Source: Flexera 2022 State of the Cloud Report

Felizmente, mais organizações estão implantando equipes centralizadas para controlar o uso e a adoção da nuvem. Muitas vezes chamados de “Centros de Excelência em Nuvem”, ou CCOEs, eles geralmente incorporam a governança técnica, financeira e outras do uso da nuvem. As equipes de FinOps estão intimamente envolvidas em CCOEs, e as equipes de ITAM também. 69% dos profissionais do ITAM relataram que sua organização tinha um CCOE e, para aqueles que o fizeram, 83% tinham um membro da equipe do SAM.

É importante que os profissionais de ITAM tenham um assento à mesa no CCOE e com a equipe de FinOps, para obter visibilidade do uso e dos gastos da nuvem e fornecer informações importantes para uma boa tomada de decisão. Ou se sua organização ainda está planejando sua mudança para a nuvem, os profissionais de ITAM podem ajudar agora a começar com o pé direito.

ITAM e FinOps trabalhando juntos agregam valor e contexto ao uso da nuvem da organização. Aqui estão algumas das principais maneiras pelas quais essas disciplinas podem trabalhar juntas para dar suporte a essa mudança para a nuvem. 

Três Fases do Ciclo de Vida FinOps:

INFORMAR

  • Compartilhar Taxonomia – ambas as equipes se concentrarão em categorizar, marcar e rotular os elementos que estamos usando. Compartilhe essas chaves para que a alocação seja consistente
  • Compartilhe Relatórios – É provável que sua equipe de ITAM esteja no mercado há mais tempo e possa ter estabelecido relatórios sobre o uso e o valor dos ativos. Reutilize-o quando possível, para coordenar as mensagens, a terminologia e o número de relatórios que a liderança precisa examinar.
  • Compartilhe dados – As equipes de FinOps serão especialistas no exercício de big data de resumir o vasto custo da nuvem e os dados de uso que chegam a cada dia. As equipes do ITAM serão especialistas em analisar amplamente todos os custos de ativos em toda a organização. Junte-se para criar data lakes comuns.

OTIMIZAR

  • Crie transparência – o software licenciado afetará a adoção da nuvem pública. Certifique-se de que todos entendam os modelos de mobilidade de licenciamento disponíveis ao tomar decisões para evitar (ou pelo menos entender) o desencadeamento de penalidades contratuais.
  • Coordene revisões de custos e uso – Na nuvem, todos devem ser responsáveis ​​pelo uso da nuvem. As equipes de engenharia, no entanto, geralmente precisam de orientação e visibilidade para ajudar a determinar como suas decisões de arquitetura ou projeto afetam o custo. As equipes de FinOps e ITAM podem apoiar a tomada de decisões de engenharia, fornecendo análises e informações sobre a otimização que pode ocorrer.

OPERAR

  • Dimensione seus processos – os profissionais de ITAM podem trabalhar com equipes de FinOps para adaptar os processos organizacionais à escala, velocidade e granularidade da nuvem.
  • Apoie uns aos outros – a última coisa, mas o primeiro passo. Se você está em uma equipe de FinOps ou ITAM e não conhece sua contraparte, encontre-a e comece a quebrar quaisquer silos que existam dentro do próprio grupo de TI. Para ter sucesso, tanto o ITAM quanto o FinOps contam com uma comunicação boa e consistente entre as disciplinas em toda a organização. Faça isso acontecer em seu próprio grupo para modelar esse comportamento.

Os praticantes de FinOps apreciam o valor que as equipes de ITAM trazem para uma organização e precisam ser fortemente aliados para ajudar a gerenciar a ampla adoção do uso da nuvem pública. Ambas as disciplinas estão focadas em ajudar a liderança a entender o custo total de nosso ambiente de TI e o valor que ele cria para nós e nossos clientes. 

O ITAM e o FinOps fornecem uma compreensão mais rica e, em última análise, nos permitem obter melhor valor trabalhando juntos.

Capacidades FinOps

 

Alocação de Custos (Metadata & Hierarquia)

A Alocação de Custos é o conjunto de práticas para dividir uma nota fiscal ou fatura consolidada entre aqueles que são responsáveis por suas diversas partes componentes. No contexto dos FinOps, isso normalmente envolve dividir faturas consolidadas do Provedor de Serviços em Nuvem entre vários grupos de TI que usam nuvem dentro da organização.

Data Analysis and Showback

A análise de dados e o showback são a capacidade de aproveitar dados, juntamente com metadados sobre recursos em nuvem e hierarquias de recursos, para criar um mecanismo de relatórios quase “em tempo real” para as partes interessadas que chama a atenção: Custos totais para a entidade empresarial desejada, oportunidades de evasão de custos e KPIs para saúde financeira (por exemplo, desempenho de compromissos de redução de custos, medidas de custo unitário para serviços-chave, Métricas de eficiência agregadas pela “equipe” desejada, unidade organizacional, etc…).

Gerenciamento de Anomalias

O Gerenciamento de Anomalias é a capacidade de detectar, identificar, esclarecer, alertar e gerenciar eventos inesperados ou imprevistos de custo em nuvem em tempo hábil, a fim de minimizar o impacto prejudicial ao negócio, custo ou não.

Anomalias no contexto dos FinOps são variações imprevistos (geralmente aumenta) nos gastos em nuvem que são maiores do que seria esperado, dado os padrões históricos de gastos.

Gerenciamento de Custos Compartilhados

Um princípio fundamental dos FinOps é: “Todos são responsáveis pelo uso da nuvem”. A verdadeira chave para entender o custo total de propriedade é construída a partir da transparência e da precisão, mas os custos compartilhados não alocados dificultam ambos. Sem dividir adequadamente os custos que são compartilhados, engenheiros e gerentes de produtos não têm uma visão completa do quanto seus produtos estão realmente custando.

O objetivo do Compartilhamento de Custos é ser a alocação total; no entanto, também pode ser a adoção de uma abordagem de ignorar informada. Este último é onde uma decisão de negócios é explicitamente tomada sobre serviços de plataforma compartilhada provenientes de um orçamento central versus uma parte do orçamento de cada centro de custos.

Forecasting (previsão de custos)

O Forecasting ou previsão é a prática de prever gastos futuros, geralmente baseados em uma combinação de gastos históricos e uma avaliação de planos futuros, entendendo como as futuras mudanças na infraestrutura em nuvem e no ciclo de vida da aplicação podem impactar os orçamentos atuais e influenciar o planejamento orçamentário e futuras decisões de investimento em nuvem.

Essa capacidade também envolve a colaboração entre equipes de stakeholders como Finanças, Engenharia e Executivos para construir modelos de previsão acordados e KPIs a partir dos quais estabelecer orçamentos alinhados com as metas de negócios.

Gestão de Orçamento

O orçamento para nuvem (ou outras despesas de TI) é um processo de coleta de despesas estimadas por um período específico de tempo. As decisões sobre como operar como um negócio, o que investir e outras decisões estratégicas são tomadas com base nos orçamentos. Se as despesas reais não correspondem ao orçamento, pode impactar as operações e outras decisões que foram tomadas com base nesses orçamentos.

Gerenciamento de Cargas de Trabalho e Automações

A Workload Management & Automation se concentra na execução dos recursos apenas quando necessário e na criação de mecanismos para ajustar automaticamente quais recursos estão sendo executados a qualquer momento. Esse recurso dá às equipes finOps a capacidade de corresponder à oferta à demanda de forma mais eficiente e efetivamente otimizar o uso da nuvem através da medição da demanda de carga de trabalho e capacidade de provisionamento dinamicamente.

Gerenciamento de descontos baseados em compromissos (RI’s e Savings Plans)

Os serviços em nuvem têm diferentes abordagens que alavancam o compromisso de gastar para oferecer descontos em serviços. Estes variam de descontos negociados comercialmente personalizados, a descontos de compromisso baseados em gastos, como planos de poupança AWS, descontos de compromisso baseados em recursos, como CUDs do Google e outros.

Descontos de compromisso baseados em gastos e descontos de compromisso baseados em recursos são as otimizações de tarifas mais populares que os provedores de serviços em nuvem oferecem. Isso ocorre em parte porque as plataformas de ferramentas nativas CSP e FinOps permitem que você planeje, gerencie e se beneficie desses tipos de construções de descontos.

Utilização e Eficiência de Recursos

No contexto para finOps, a utilização de recursos é sobre garantir que haja valor de negócios suficiente para os custos de nuvem associados a cada classe ou tipo de recurso sendo consumido. É necessário observar a utilização de um recurso ao longo do tempo para entender se o desempenho, disponibilidade ou outras métricas de qualidade são de valor para a despesa incorrida.

Medindo custos unitários

Uma definição comum para economia unitária são receitas e custos diretos, associados a um determinado modelo de negócio, que são especificamente expressos por unidade. As métricas permitem determinar a receita que você ganhará com uma única unidade do seu negócio e o custo associado à manutenção, revelando, em última análise, o valor do negócio dos gastos.

Para um aplicativo voltado para o cliente, mais comum hoje no modelo SaaS, essa unidade pode ser uma assinatura de usuário ou cliente; para uma plataforma de comércio eletrônico, pode ser uma transação; e para uma companhia aérea, pode ser um assento.

Ingestão e Normalização de Dados

A ingestão e normalização de dados no contexto dos FinOps representa o conjunto de atividades funcionais envolvidas com o processamento/transformação de conjuntos de dados para criar um repositório comum questionável para suas necessidades de gerenciamento de custos em nuvem.

Nesse contexto, a ingestão e normalização de dados ocorre ao reunir dados de faturamento em nuvem, dados de uso em nuvem, dados de uso e desempenho em nuvem, dados de CMDB ou ITAM on-premises, dados específicos de negócios e outros pontos de dados de uma variedade de provedores de nuvem e repositórios de dados de TI para criar uma coleta de informações de custo e uso que podem ser consultadas para suportar e habilitar os Recursos finOps.

Integração Financeiro de TI e Chargeback

O Chargeback e a Integração financeira de TI tratam de levar a prestação de contas aos limites da organização responsável pela criação da despesa.

Uma vez implementado o chargeback e a visibilidade dada às equipes, os profissionais maduros do FinOps, em seguida, integram esses dados programáticamente em seus sistemas de relatórios internos relevantes e ferramentas de gerenciamento financeiro.

O chargeback é o foco nessa capacidade, mas o Showback é uma parte fundamental de qualquer prática de FinOps. A diferença é que o Chargeback envia despesas para um produto ou departamento P&L e Showback mostra os encargos por produto ou departamento, mas mantém as despesas em um orçamento centralizado. De qualquer forma não deve ser considerada mais madura do que a outra, pois qual método utilizado depende inteiramente da política contábil organizacional e da preferência.

Onboarding de Workloads

Essa capacidade trata-se de estabelecer um processo de porta frontal na nuvem para aplicações de brownfield e greenfield a bordo através de critérios de viabilidade financeira e avaliação de viabilidade técnica.

Estabelecendo a Cultura FinOps

A palavra “Kuleana” é havaiana para “Responsabilidade”. Kuleana nos encoraja a ser responsáveis por tudo o que fazemos e é a “capacidade de responder” ao que está acontecendo.

Com isso em mente, essa capacidade é sobre criar um movimento para estabelecer culturas de prestação de contas para que sua organização entenda que a prática de gerenciamento de custos em nuvem é realmente sobre aproveitar finOps para acelerar a criação de valor de negócios.

Integração com ITAM

Esse recurso examina as integrações necessárias entre finOps e ITAM (ITAM), incluindo gerenciamento de ativos de software (SAM), e com a disciplina relacionada, mas separada, do ITSM (IT Service Management, gerenciamento de serviços de TI), incluindo o gerenciamento de configuração.

Política e Governança da Nuvem

A política e a governança podem ser consideradas como um conjunto de declarações de intenção, com garantias associadas de adesão, sempre usando boas práticas ou uma regra consolidada como a ISO 19770.

Uma “Política de Nuvem” é uma clara declaração de intenção, descrevendo a execução de atividades específicas relacionadas à nuvem de acordo com um modelo padrão projetado para fornecer alguma melhoria do valor dos negócios.

“Cloud Governance” é um conjunto de processos, ferramentas ou outra solução de guardrail que visa controlar a atividade descrita pela Política de Nuvem para promover o comportamento e os resultados desejados.

A combinação de uma boa política e governança nos fornece um mecanismo para orquestrar e direcionar nossa Atividade de FinOps na nuvem.

FinOps Educação & Capacitação

O FinOps Education & Enablement permite que todos os participantes das práticas do FinOps aumentem o valor dos negócios da nuvem, acelerando a adoção do FinOps.

FinOps Educação & Capacitação inclui:

  • Comunicações internas, eventos e experiências de aprendizagem. Estes podem se concentrar em tópicos técnicos, financeiros ou de negócios específicos ou uma combinação de todos os três;
  • Treinamento – ou baseado em funções, baseado em tecnologia ou focado em processos FinOps em si;
  • Iniciativas voltadas para melhorar o valor dos negócios da nuvem que dão aos participantes a oportunidade de usar o conhecimento que ganharam;

Curadoria, Tradução e adição de conteúdo por 4Matt Tecnologia . Este artigo foi co-escrito por Rob Martin , Diretor de Aprendizagem da Fundação FinOps e Brian Adler , membro do Conselho de Administração da Fundação FinOps e Diretor Sênior de Estratégia de Mercado de Nuvem na Flexera.

Tags: ServiceNow, Snow Software, Gestão de Ativos de Software, Software Asset Management, SAM, FINOps, ITAM, ITSM, Flexera, Cloud Management framework de governança, ativos de ti itam, gestão de ativos, SAM, , field service management, gestão de mudanças, ferramentas de ti, servicenow ajudem, cloud spend, google cloud, gestão financeira, cost optimization, cloud financial management, financial management, cloud financial, custo na nuvem, larga escala, centralized team, cloud center of excellence, sap basis, finops culture, claranet brasil, aws cost, inteligência artificial, finops practitioners, fale com um especialista, nuvem hibrida, site reliability engineering, finops lifecycle, cloud center, seja um parceiro, contact center, quais são os princípios, gastos na nuvem, custos de nuvem, acesso seguro, aplicar finops, princípios de finops, driven by the business, finops practice, jr storment, disaster recovery, web application firewall, microsoft azure, nuvem privada, centros de custos, mudança cultural, endpoint security, cloud financial operations, cloud data, gestão de custo, práticas recomendadas, cloud billing, gastos de ti, portal do cliente, mike Fuller, business value, cost allocation, fale conosco, cloud cost, reserved instance, finops team, cloud management, cost management, ciência de dados, finops book, computação em nuvem, reduza custos, engineering teams, cloud finops book, redução de custo, instâncias reservas, unit economics, adopting finops, center of excellence, cloud costs, transformação digital, shared costs, financial operations, melhores práticas, custos em nuvem, cloud finops, finops foundation, gerenciamento financeiro, data centers, financeira em nuvem, otimização de custo, finops framework, data lake

Posts Relacionados

Microsoft SPLA versus BYOL

Na paisagem em constante evolução da tecnologia da informação, a computação em nuvem tem se firmado como uma solução poderosa para empresas de todos os

Leia mais »