4Matt Tecnologia

Licença de Software

Licença de Software: Como gerir suas despesas

Segundo o Statista com o crescimento do mercado de software corporativo nos últimos anos, espera-se que em 2022 os gastos de TI com software empresarial cheguem a cerca de 672 bilhões de dólares em todo o mundo, um crescimento de 11% em relação ao ano anterior. Com todo este crescimento, é imprescindível o monitoramento de assinatura de software, afim reduzir custos e não impactar tanto no orçamento de sua empresa. Licença de Software O licenciamento é um documento contratual usado por desenvolvedores de programas digitais. Ele serve para definir se o aplicativo tem domínio público ou se está bloqueado por copyright, além de determinar como pode ser utilizado o código-fonte. Apesar dos vários tipos de licença de softwares, o princípio é semelhante: o licenciamento cede ou limita o direito ao uso de determinado programa ao consumidor final, que pode ser uma organização, uma entidade do governo ou até uma pessoa que fará uso doméstico. As regras são estabelecidas no contrato da aplicação, definindo como serão tratadas as cópias e as modificações no código do programa, além de possíveis penalidades em caso de descumprimento dos termos citados. As licenças ainda servem para traçar o suporte ao usuário, tratar das políticas de atualização e da lista de serviços prestados. Quais os tipos de licença de softwares disponíveis? O modo de funcionamento de cada licença varia de acordo com a categoria em que está inserida. Confira as principais: Autofinanciamento: É a licença do software desenvolvido pela própria empresa que irá utilizá-lo. Dessa forma, a organização é proprietária do software, podendo fazer o uso do programa da maneira que melhor lhe convir. Quando o software é desenvolvido e utilizado por mais de uma empresa, o tipo de licença aplicado é o co-sourcing Aquisição perpétua: Funciona como uma compra do programa. Isso porque, após adquiri-lo, o usuário tem direito de utilizá-lo de forma vitalícia. Porém, a opção não conta com atualizações e manutenções do programa Licença de uso: Permite a utilização do programa em apenas uma máquina, com atualizações inclusas. Este tipo de licença de software, no entanto, prevê o pagamento de taxas administrativas e não inclui manutenções ASP: A sigla se refere ao termo em inglês Application Service Provider, ou seja, Provedor de Serviços de Aplicativos. A opção funciona como um aluguel de software, em que a empresa paga um valor mensal para utilizar o software, que não fica hospedado em suas máquinas e/ou servidores SaaS: A sigla faz referência a Software As A Service, ou Programa Como Um Serviço, em português. O SaaS funciona de maneira semelhante ao ASP, porém nenhum tipo de instalação é realizado – o software fica armazenado em nuvem. Além disso, o pagamento é feito de acordo com a quantidade de usuários do programa Open Source: Por ter o código aberto, o usuário pode modificá-lo para que o programa se adeque a suas necessidades. No entanto, há limites e restrições – o que diferencia a opção do software livre Software livre: Oferece total liberdade ao usuário para copiar, distribuir e modificar o código-fonte do programa. Porém, isso não significa que o software seja gratuito Freeware: Pode ser utilizado e distribuído gratuitamente, mas não tem o código necessariamente aberto para sua personalização. Vale lembrar, ainda, que há uma tendência para novas formas de licença de software. Como estratégia de venda na era da computação de ponta, elas devem ser cada vez mais ajustáveis e personalizáveis para cada cliente. Como classificar despesas com assinatura de softwares? A aquisição de softwares passou a ser classificada no elemento 40 – Serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação – Pessoa Jurídica”. A nova classificação compreende prestação de serviços por pessoas jurídicas para órgãos e entidades da Administração Pública, relacionadas à Tecnologia da Informação e Comunicação – TIC, não classificadas em outros elementos de despesa. Os softwares podem ser classificados como despesas correntes ou como despesas de capital. No primeiro caso, quando a despesa não contribuir, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital, a exemplo a locação de softwares, pois se trata de despesa corrente. Quando a despesa contribuir, diretamente, para a formação ou aquisição de um bem de capital, a exemplo do desenvolvimento de software que fará parte do ativo intangível, a despesa deve ser classificada como despesa como despesa de capital, tendo em vista que representa um investimento. Desta forma teremos as possíveis classificações orçamentárias de acordo com a natureza da despesa. 3.3.XX.40 quando se tratar de despesa com locação de software (Despesa Corrente). 4.4.XX.40 quanto se tratar de contratação de empresa para o desenvolvimento de software que fará parte do ativo imobilizado (Despesa de capital). Como contabilizar assinatura de software? A contabilização varia conforme é uma assinatura de software ou a liquidação da despesa com o desenvolvimento de software. Isto porque o software desenvolvido representará um aumento do ativo intangível, sendo um investimento que contribui diretamente para a formação de bem de capital.  No caso da assinatura de software, o efeito patrimonial é diminutivo, já que a assinatura de software é uma despesa de serviço que não incrementa o patrimônio diretamente. Assim, a assinatura de software, que é despesa corrente, deve ser contabilizada da seguinte forma: No ativo:  D – ativo / variação patrimonial diminutiva / serviços / locações No passivo: C – passivo / fornecedores e contas a pagar a curto prazo Como otimizar a gestão financeira de despesas de assinatura de softwares na prática? A gestão de custos de TI apresenta grandes desafios, como a dispersão de assinatura de softwares por departamentos e a dificuldade em provar o retorno em TI.  Veja algumas dicas para otimizar a gestão financeira de assinatura de software e outras despesas da gestão em TI.  1. Faça um inventário de assinatura de software O inventário de licenças ativas permitirá identificar possíveis ociosidades e assinatura de softwares que não são mais utilizados.  Com isso, há a possibilidade de redução de custos de TI sem perder em qualidade.  Nesse inventário considere também detalhes sobre a assinatura de software, como finalidade, recursos, data da expiração e outros dados que forem pertinentes para evitar desperdício financeiro.  2. Adote centros de custos Centro de custo é uma forma de divisão interna que cria unidades independentes em relação à apuração

Leia mais »

Oracle Java: como evitar riscos e otimizar?

O Java está na maioria das plataformas, entretanto, muitas pessoas não a conhecem ou sequer sabem que ela existe. Muitos conhecem o Java como sinônimo de uma linguagem de programação orientada a objetos para desenvolvimento de aplicativos, mas o termo também se refere às inúmeras aplicações que utilizamos em nosso dia-a-dia quando navegamos na Internet. Recentemente, foi encerrada uma longa disputa judicial entre a Google e Oracle sobre o uso de Java no Android, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos concedeu uma vitória para a Alphabet, marca mãe do Google. A justiça determinou que a companhia não violou leis federais de propriedade intelectual para desenvolver o sistema Android. Os juízes da Suprema Corte revogaram um parecer anterior, que favorecia a Oracle e considerava que o código fonte do Android não fazia uso justo da base do Java. A empresa afirma que a concorrente copiou “estrutura, sequência e organização” de 37 APIs do Java para o Android. Afinal, algumas redes sociais como por exemplo Facebook e Twitter, utilizam o Java em seu back-end.  O próprio java no android, já mencionado e que utilizamos em nossos smartphones, assim como os aplicativos que instalamos nele, são desenvolvidos nessa linguagem. A ferramenta de mineração e aprendizagem de dados por inteligência artificial Weka, uma das mais populares e utilizadas do mundo, foi totalmente escrito em Java. A Oracle estima que mais de 3 bilhões de dispositivos no mundo todo utilizam algum produto Java. Desse modo, é possível calcular a influência global da companhia, que não se restringe unicamente aos negócios de tecnologia. Além disso, recursos da plataforma se encontram em outras aplicações, o que faz do licenciamento uma tarefa imprescindível para a boa condução dos negócios. A assinatura do Java permite fazer uso da versão LTS, com suporte, correção de bugs, e atualizações de segurança garantidos durante o período da assinatura. Também inclui suporte, o qual é realizado através do OTN, onde serão abertos os chamados e realizados os downloads dos updates. Caso não saiba o que é o Java SE, ou o Java RE, e como ele pode afetar os custos em licenciamento de software na sua organização, esse artigo é para você. Licenciamento: O que mudou após a compra da Sun Microsystems pela Oracle A Sun anunciou no JavaOne 2006 que o Java se tornaria um software livre de código fonte aberto. A Sun liberou a máquina virtual HotSpot e o compilador como software livre sob a GNU General Public License em 13 de novembro 2006, com uma promessa de que o resto do JDK (que inclui o JRE) seria colocada sob a GPL em Março de 2007. Seguindo a sua promessa de liberar uma JDK plenamente compilável baseada quase totalmente em software livre e de código fonte aberto, no primeiro semestre de 2007, a Sun lançou o código fonte completo da biblioteca de classe sob a GPL em 8 de maio de 2007. Em 20 de abril de 2009, a Oracle anuncia que comprou a Sun Microsystems por 7,4 bilhões de dólares, impulsionando a desenvolvedora de softwares corporativos no setor de hardware. A empresa é conhecida por ter sistemas baseados nos chips Sparc. Também possui uma carteira vasta de softwares, que inclui o sistema operacional Solaris, o banco de dados de código fonte aberto MySQL e a linguagem de programação Java. Após a compra da Sun Microsystems pela Oracle, toda a propriedade intelectual da Sun Microsystems foi incorporada pela Oracle, e com isso, o contrato de licenciamento do Java sofreu diversas alterações ao longo do tempo passando de um contrato Open-Source (GPL) para um contrato baseado em licenciamento (BCL/OTN). Com essa mudança, vieram várias questões como: Posso continuar usando o Java SE gratuitamente? E sobre receber suporte e atualizações? Posso distribuir o Java SE? Contrato Oracle BCL (Binary Code License) para produtos Java SE A Oracle continuou a oferecer o uso do Java SE gratuitamente sob o chamado contrato Binary Code License (BCL). Este uso é restrito e gratuito somente se as seguintes condições forem atendidas. Você só pode usar os componentes do Java Standard Edition (por exemplo, JDK, JRE, JavaFX, JRockit JDK) internamente em sua organização para executar seus aplicativos Java (desenvolvidos internamente ou aplicativos de terceiros). Os componentes do Java Standard Edition devem estar sendo usados ​​em desktops ou servidores para uso de propósito geral. Você tem permissão para usar recursos comerciais (por exemplo, Java Flight Recorder, Java Mission Control) com a finalidade de projetar, desenvolver e testar seus programas (por exemplo, seu aplicativo Java desenvolvido internamente) sem qualquer requisito de licença. Você tem permissão para distribuir os componentes do software Java Standard Edition, desde que não modifique ou remova qualquer componente dele. Além disso, você precisa se certificar de que o usuário final concorda com o contrato padrão BCL. Contrato OTN (Oracle Technology Network) para Oracle Java SE A partir do Java versão 11 (mais precisamente o lançamento do JDK 11), ou a versão 8u202, o Java Standard Edition não está mais disponível sob o contrato BCL. Em vez disso, os direitos de uso são regidos pelo contrato de licença da Oracle Technology Network (OTN). Aqui estão os termos mais importantes do contrato de licença OTN, em comparação com o contrato OBCL: Você ainda pode usar os componentes do Java Standard Edition (por exemplo, JDK, JRE, JavaFX, JRockit JDK) internamente em sua organização. No entanto, sob o contrato de licença OTN, você só pode usar o Java Standard Edition com a finalidade de desenvolver, testar, criar protótipos e demonstrar seu aplicativo (desenvolvimento de software). Você não precisa mais fazer nenhuma diferenciação entre computadores e / ou servidores de uso geral e não geral. O uso de recursos comerciais para qualquer tipo de processamento de dados, negócios, fins comerciais ou de produção não é permitido sob o Contrato de Licença OTN. Você não tem permissão para distribuir, fornecer ou transferir o programa Java para terceiros. Você não tem permissão para remover ou modificar nenhum programa Java. Como com todos os outros produtos Oracle, se você deseja usar o programa Java para qualquer propósito diferente daqueles expressamente permitidos no contrato OTN, você deve obter de uma licença válida que permita tal uso. Modelos

Leia mais »

Mudança Licenciamento Autodesk 2020

Como parte de sua estratégia cloud, mudando os hábitos de compra de seus clientes transferindo-os para assinaturas de software como serviço (SaaS), a AutoDesk anunciou importante mudança no licenciamento de seus produtos e contratos. A Autodesk lançará novos planos de assinatura para usuários e encerrará aqueles baseados em número de série (serial number e product key). Como ocorre com a maioria dos fornecedores de SaaS, esses planos foram criados para usuários nomeados e fornecem diversos recursos administrativos, de suporte, segurança e geração de relatórios, para empresas de todos os tamanhos. Opções de Manutenção, Suporte e Assinaturas A mudança que era para ser implementada em 7 de maio de 2020, mudou para 7 de agosto de 2020, devido aos efeitos da pandemia de Covid-19: “não queremos introduzir uma mudança em um momento em que os negócios estão passando por uma fase difícil suficiente”, diz em comunicado pelo portal oficial Autodesk News. Na Mudança Licenciamento Autodesk, os clientes que possuem contratos com manutenção ativas terão duas opções: Manter-se com o suporte e manutenção atuais assumindo um aumento de preço de 20% e m média; Mudar para assinatura pelo preço de suporte e manutenção atuais. A AutoDesk informa que se os clientes não aceitarem a oferta de negociação atual, nenhuma atualização estará disponível a partir de 7 de maio de 2021, quando os planos de manutenção serão aposentados. Como parte do encerramento do plano de manutenção e Mudança Licenciamento Autodesk, a última versão das Suítes de projeto e criação será lançada em abril de 2020* para ser baixada pelos clientes e a última data de renovação dessas Suítes será 16 de abril de 2020. O que esta mudando? A AutoDesk também está fazendo alterações em sua linha de assinatura e removendo assinaturas de vários usuários (multi-user subscriptions), em favor de assinaturas de usuários nomeados. Desde de 29 de fevereiro de 2020, a Autodesk não comercializa mais novas assinaturas de dois ou três anos com acesso multiusuário, nem aceita renovações; A partir de 7 de agosto de 2020, não comercializarão mais novas assinaturas anuais com acesso multiusuário – com renovações terminando em 7 de maio de 2021; Planos de manutenção serão descontinuados em 7 de maio de 2021 e não poderão  mais ser renovados. Com a Mudança Licenciamento Autodesk a partir de 7 de agosto de 2020, na primeira renovação de um cliente, cada assinatura de vários usuários (multi-user subscriptions), pode ser negociada por 2 assinaturas de usuário nomeadas. Se uma organização optar por não fazer essa mudança em sua primeira renovação, a oferta em sua segunda renovação será trocar por 1 x assinaturas de usuários nomeados. Veja exemplos abaixo: Por exemplo, se você tiver 20 assinaturas multiusuário, poderá trocá-las por 40 assinaturas Standard para 40 usuários nomeados por um preço sugerido de venda (SRP) similar ao pago hoje. Em seguida, renove com desconto contínuo até 2028. No momento da troca, opte por atualizar para uma industry collection e acesse uma ampla seleção de ferramentas que ajudam a superar qualquer desafio de projeto, hoje e no futuro. No momento da troca ou posteriormente, opte por atualizar para um plano superior e tenha recursos mais avançados, como o acesso único e os relatórios detalhados de usuários. Espera-se que isso impacte aproximadamente 20% da base de clientes do AutoDesk. Aumentos de preços – Mudança Licenciamento Autodesk Fevereiro de 2020Novas assinaturas de vários usuários têm preço de 2 x preços de usuário nomeados, o que representa um aumento de 14 a 33%. BIM 360 Docs & Build também aumentam 15%. Março de 2020Novas assinaturas de usuários nomeados para a maioria dos produtos aumentarão em 5%. Novos tipos de licenças O licenciamento AutoDesk em breve terá as seguintes variantes: Standard Premium Enterprise O Standard é voltado para “indivíduos e pequenas empresas”, enquanto o Premium é para empresas maiores à procura de ferramentas administrativas, segurança e… relatórios. O Premium também contará com recursos SSO e um nível mais alto de suporte. O que eu preciso fazer para realizar a transição para o modelo Usuário nomeado? Clientes que possuírem assinatura com acesso multiusuário ou plano de manutenção: na primeira renovação após 7 de maio de 2020, nós o ajudaremos a fazer a transição para um plano do tipo Usuário nomeado, por meio de ofertas de troca que mantêm seus custos estáveis hoje e previsíveis até 2028. Oferta de troca de plano de manutenção Na sua primeira renovação, antes de 7 de maio de 2021: Troque um assento do plano de manutenção individual ou de rede por uma assinatura Standard para um usuário nomeado, por preço similar àquele pago em 2019 pelo plano de manutenção. Em seguida, renove com desconto contínuo até 2028**. No momento da troca, opte por atualizar para uma industry collection e tenha uma ampla seleção de ferramentas que ajudam a superar qualquer desafio de projeto, hoje e no futuro. No momento da troca ou posteriormente, opte por atualizar para um plano superior e tenha recursos mais avançados, como acesso único e relatórios detalhados de usuários. Após a troca, os clientes do plano de manutenção de rede também terão a oportunidade de aproveitar a troca de multiusuário em sua próxima renovação após 7 de agosto de 2020. E se eu não aceitar a oferta de troca de plano de manutenção na Mudança Licenciamento Autodesk? Nesse caso, na segunda renovação você poderá trocar uma assinatura multiusuário adquirida com desconto (na oferta de mudança para assinatura) ou um assento de plano de manutenção em rede por uma assinatura Standard para um usuário nomeado, por um preço sugerido de venda (SRP) similar ao pago hoje por seu assento ou sua assinatura. Se você não fizer a troca e mantiver seus assentos de plano de manutenção em rede, os preços desse tipo de plano subirão 20% em 7 de agosto de 2020. As assinaturas com acesso multiusuário serão encerradas em 7 de agosto de 2021 e não podem mais ser renovadas.   Referência rápida para opções de transição na mudança licenciamento Autodesk Produtos que não serão afetados agora Os produtos abaixo estão excluídos do programa de

Leia mais »

Auditoria Oracle – Como evitar?

A Oracle é um dos gigantes de software no mundo e também um dos fornecedores mais prováveis a auditar dentro de 12 meses, principalmente com as quedas de receitas nestes tempos de pandemia Covid-19. Uma Auditoria Oracle pode ser evitada! Como outros fornecedores, a Oracle pode usar auditorias de clientes como uma oportunidade de receita, mas é difícil prever o que provocará uma auditoria. As razões incluem uma mudança no gasto de software ou no tamanho dos funcionários, desinvestimento ou M&A, ou até mesmo uma mudança na sua estratégia de TI. As soluções Oracle são um componente essencial da infraestrutura de TI de uma empresa seja ela local ou agora também em nuvem, com Oracle Cloud. Mas suas soluções e aplicativos de banco de dados (Oracle Databases) têm alguns dos contratos de licença mais complexos e caros e, portanto, uma das mais recomendadas a se fazer uma boa governança de Software Asset Management (SAM). O gerenciamento adequado dos custos da Oracle significa conhecer tópicos complexos, como: métricas de licença, implantação, uso, configurações, auditoria de objetos, virtualização e número de CPUs. Esses desafios sempre presentes na conformidade não podem ser gerenciados apenas com planilhas ou pela console do produto Oracle, uma vez que estes não gerenciam o registro de auditoria. Além de dizer que as regras de licenciamento Oracle são complicadas, elas também mudam frequentemente sem muito aviso, o que pode levar sua organização a ficar sem conformidade sem que você saiba. Se você estiver usando seu software incorretamente, possivelmente uma conta de regularização de auditoria chegará. O problema com o gerenciamento de licenças de software Oracle Através de nossos muitos anos de experiência em licenciamento Oracle, descobrimos que os clientes estão tropeçando nos mesmos desafios várias vezes. As três principais dificuldades que vemos são: Antecipar Pagamentos e contratos sem uma análise: Pagar licenças e 40% do suporte e manutenção antecipadamente é um valor que aumenta qualquer orçamento anual de TI e resulta em investimento adicional em software utilizando gastos não orçados. Lidar com as complexidades das regras e contratos de licenciamento da Oracle: Regras de licenciamento Oracle vindo de vários contratos podem se aplicar a um Bundle de produtos e também novas regras e condições poderiam ter sido aplicados desde a implantação do software; Ferramentas de inventário que medem ou não identificam produtos Oracle: Mesmo que a ferramenta pegue o mínimo, ela não pode determinar edições e informações do usuário. Também pode não identificar processadores e ambientes de virtualização. Isso significa trabalho manual para o SAM Manager, usando tempo e recurso valiosos, bem como usando o time de segurança da informação;       Insights para lidar com contratação Oracle? Escolha de pacotes de forma única e por ambientes, não por pressão do time de vendas Oracle: Produção, Desenvolvimento e Homologação. Como exemplo é uma empresa que comprou Premier suporte para todo seu ambiente de desenvolvimento e homologação, sem necessidade. Cada opção, recurso e pacote no Banco de Dados Oracle são licenciados separadamente. Na verdade, qualquer DBA pode facilmente ativar uma opção por engano, sem mensagem de aviso. Para limpá-lo, você tem que controlar as opções ativadas e saber a causa raiz do uso. Cuidado com os contratos “Ilimitados”, muitas vezes não é O Contrato de Licença Ilimitada (ULA) não pode cobrir todos os produtos e opções da Oracle, ou todas as unidades de negócios e pessoas jurídicas da sua empresa. E se você não renovar o ULA, então a Oracle requer uma licença para cada instalação — e pagamentos de manutenção. Preso no bom e velho mercado on premises A Oracle ainda confia sua posição no mercado de banco de dados e não fornece políticas de licenças amigáveis à virtualização e ou migração para Cloud Publica como por exemplo Microsoft Azure ou AWS. Tecnologias líderes de mercado como a VMware são categorizadas como “soft-partitioning” que muitas vezes resulta em altos custos de licença e enormes riscos de conformidade. TI flexível significa mudança constante Grandes riscos de conformidade e custos podem ocorrer a partir de uma simples mudança de configuração de seu data center. Você pode instalar um aplicativo sem direitos em contrato no middleware Oracle ou mover uma máquina virtual para um cluster de servidor diferente, gerando riscos e mais uma vez custos desnecessários. Como passar por uma Auditoria Oracle? Se eles disserem que uma auditoria será de poucas semanas, prepare-se para uma auditoria de no mínimo 2 meses. O licenciamento da Oracle é tão complexo que diversas análises de dados, demandas intermináveis por gerar relatórios, inventários scripts serão necessárias. Normalmente, em uma auditoria Oracle, você deve usar scripts “oferecidos” pela Oracle, e que fatalmente não desvendarão com precisão a complexidade dos produtos Oracle instalados, sem alguns erros e falsos positivos. Para então passar de uma forma menos onerosa por uma auditoria Oracle, você precisa se defender com dados detalhados e de alta qualidade sobre o ambiente Oracle. Ter dados sólidos simplifica a complexidade de suas licenças Oracle, garante a conformidade e produz relatórios mais precisos do que o dos próprios auditores Oracle. Uma auditoria de licença Oracle pode ser longa, mas não precisa ser difícil. Se você definir processos e usar uma plataforma de Software Asset Management SAM que coleta e verifica dados de com alta acuracidade, então você terá todo o suporte para vencer a auditoria Oracle. Auditoria Oracle: Como podemos apoiá-los? A 4Matt Tecnologia ajudará você a assumir o controle de suas instalações e contratos Oracle para se preparar para uma auditoria ou otimizar os contratos.  Ficar por dentro das regras de licenciamento da Oracle é um trabalho arduo, em tempo integral e necessita de especialistas, normalmente difíceis de encontrar. Terceirizar a governança de contratos Oracle permite que você passe todas as tarefas de gerenciamento de licenças para uma equipe de especialistas treinados e atualizados que gerenciam ambientes Oracle de diversos portes, todos os dias. Nós cuidaremos de gerenciar proativamente quaisquer mudanças de regras de licenciamento e aplicá-las ao seu ambiente, fornecendo-lhe tudo o que você precisa para tomar decisões acertadas, tanto tecnicamente, quanto estrategicamente na

Leia mais »

Novo Microsoft 365

A Microsoft iniciou hoje a primeira fase de alteração dos nomes de seus produtos Office para Microsoft 365, começando com produtos pessoais (Personal) e de famílias (Family) e em pouco tempo chegará a todas a versões e edições. “Hoje, anunciamos as Assinaturas Pessoais e Familiares do Microsoft 365, como as primeiras ofertas de consumidor do Microsoft 365. Tenho o prazer de aparecer aqui para anunciar alterações relacionadas às nossas assinaturas do Office 365 para pequenas e médias empresas – e ao Office 365 ProPlus . No futuro, todos esses produtos usarão a marca Microsoft 365. Esta é uma evolução natural. O Microsoft 365 começou em 2017 como um pacote de licenciamento para clientes corporativos – uma combinação de Windows, Office e Enterprise Mobility and Security (EMS). Percorreu um longo caminho desde então. Hoje, chamamos de “a nuvem de produtividade do mundo” e representa nossa visão para o futuro das ferramentas de produtividade da Microsoft – um conjunto integrado de aplicativos e serviços que coloca a inteligência artificial (IA) e outras inovações de ponta para trabalhar para você. E para pequenas e médias empresas, isso inclui novos recursos no Microsoft Teams para ajudá-lo a organizar reuniões e eventos on-line; recursos de armazenamento e compartilhamento de arquivos na nuvem para que você possa colaborar de qualquer lugar; e soluções de segurança e identidade para proteger seus negócios. No momento em que as empresas enfrentam desafios econômicos e de saúde extraordinários, temos o prazer de trazer nossos consumidores e clientes de pequenas e médias empresas para essa crescente família Microsoft.” Concluiu Jared Spataro, Corporate Vice President for Microsoft 365 em comunicado apresentado hoje no site Microsoft.com Novos nomes de produtos Os novos nomes de produtos entram em vigor em 21 de abril de 2020. Essa é uma alteração apenas no nome do produto e não há alterações de preço ou recurso no momento. Office 365 Business Essentials se tornará o Microsoft 365 Business Basic. Office 365 Business Premium se tornará o Microsoft 365 Business Standard. Microsoft 365 Business se tornará o Microsoft 365 Business Premium. Office 365 Business e o Office 365 ProPlus se tornarão o Microsoft Apps. Onde usarão os rótulos “para negócios” e “para empresa” para distinguir entre os dois. Nossa Recomendação É muito comum empresas só se atentarem para a mudança nas regras de licenciamento de Office 365 depois delas acontecerem e por isso nossa metodologia de trabalho mostra que esta analise pró ativa é de grande importância. Estas é uma das melhores formas de se evitar uma Auditoria da Microsoft. Essas mudanças nas regras de licenciamento podem ser acompanhadas e gerenciadas por um Centro de Excelência em Governança de Software e Nuvem (CCoE). Pode-se utilizar uma plataforma única de governança de nuvens hibridas, onde é possível controlar os custos de seu datacenter VMware e também de nuvens públicas AWS, Azure e Google. Nós somos a 4Matt Tecnologia, especialistas em Governança de Software e CCoE, Cloud Center of Excellence.

Leia mais »

Mudanças no licenciamento VMware

A VMware anunciou uma mudança significativa em seu licenciamento por CPU. Toda esta mudança entrou em vigor no dia 02 de abril de 2020. Lembrando antes de qualquer análise técnica que a VMware nunca se preocupou com o número de núcleos em cada CPU e então deve ser o último dos grandes fabricantes a manter uma métrica de processador por CPUs físico. A maioria deles já mudou para licenciamento usando fatores e índices mais complexos para cálculo das licenças requeridas. Esta mudança pode gerar impactos na forma como sua empresa provisiona ambientes e principalmente como planeja a adoção de nuvens hibridas. Um planejamento sem levar em consideração nuvens públicas ou recursos como VMware Cloud on AWS poderá dobrar o custo do licenciamento de CPU Vmware para clientes com mais de 32 núcleos.  A VMware nunca se preocupou com o número de núcleos em cada CPU, agora é a hora Mas o que mudou? Em casos de processadores rodando VMware com menos de 32 núcleos, nada muda. Caso estes tenham mais de 32, será necessária uma licença extra para as próximas 32 e licenças adicionais para cada bloco subsequente de 32. Sabemos que a AMD e Intel já possuem chips com até 64 núcleos, mas provavelmente não vai demorar muito tempo até que estejamos falando de 96 ou até mesmo 128 CPUs. Vale ressaltar que AWS, Google e Azure já disponibilizam instancias com 96 vCPUs.  Como posso me beneficiar disto agora? A VMware está fazendo uma mudança gradual e sem custos imediatos, mas para ter este “benefício” você precisa tomar algumas decisões e ações rápidas! Caso nao faça as alterações agora, os custos fatalmente chegarão em 2021. Para aqueles clientes que já estiverem rodando VMware em CPU’s com mais de 32 núcleos por chip, ou estiverem planejando uma aquisição em breve, poderão solicitar o benefício de licenças adicionais sem custos, através do revendedor de software ou diretamente para Vmware. Eu poderei usar este “benefício” se: Fizer a solicitação formal do benefício até 29 de janeiro de 2021; Se meus servidores e as licenças foram comprados antes de 30 de abril de 2020. Guarde todos os documentos de aquisição de hardware e software seguindo as regras de Software Asset Management. Tenho um contrato com SNS (VMware Technical Support and Subscription Services) ativos nas licenças originais e contratado antes de 30 de abril de 2020. O ônus deste benefício é que quando você renovar seu contrato de suporte com a VMware, serão cobrados normalmente e o suporte para as licenças gratuitas adicionais que você recebeu neste “benefício”.  Nossa recomendação: Essas mudanças nas regras de licenciamento podem ser acompanhadas e gerenciadas por um Centro de Excelência em Governança de Software e Nuvem (CCoE). Pode-se utilizar uma plataforma única de governança de nuvens hibridas, onde é possível controlar os custos de seu datacenter VMware e também de nuvens públicas AWS, Azure e Google. É muito comum empresas só se atentarem para arquitetura de licenciamento de datacenter depois da migração e por isso nossa metodologia de trabalho mostra que este estudo tem que ser feito junto à arquitetura técnica.  Nós somos a 4Matt Tecnologia, especialistas em Governança de Software e Cloud Spend Management.   Tag: vmware vsphere, distributed switch, vcenter server, enterprise plus, maquina virtual, management enterprise, processador físico, fault tolerance, auto deploy, vmware vcenter, mato grosso, vsphere with operations management,storage vmotion, drs distributed, essentials plus, distributed resources scheduler, alta disponibilidade, standard enterprise, vsphere standard, consolidação de servidores, vsphere essentials, edições do vmware, vshield endpoint,vmware vsphere with operations, distributed power management, host profiles, telefones ip, produtos vmware, licenças do vmware vsphere, servidores hp, vmware esx, máquinas virtuais, licença do vmware, placa de rede, vmware horizon, vmware esxi, redes sociais, licenciamento do vsphere, vsphere desktop, servidores dell, licenciamento de produtos, licenca do vcenter, infraestrutura de ti, virtualização cloud, vcenter server standard, licenciamento vsphere servidor físico, operations management, Finops, Software Asset Management, Gestão de Ativos de Software, ServiceNow, CloudHealth

Leia mais »